Buscar

Novembro Azul e Não Amarele se unem para falar sobre saúde

No canal Hepatite C fala com você, representantes de importantes instituições falam sobre o câncer de próstata e sobre a Hepatite C - Publicado em 27.11.20



Duas importantes campanhas se unem para falar sobre saúde: Novembro Azul e Não Amarele. Enquanto uma alerta os homens sobre o câncer de próstata, a outra alerta a população sobre a Hepatite C. Duas doenças silenciosas e que, se não diagnosticadas a tempo, podem matar.


Para falar sobre essas duas doenças, o canal Hepatite C fala com você, no Youtube, realizou ontem uma live com direito a transmissão da peça “Doce Lembrança” que conta a história de um homem que fez um exame preventivo para a Hepatite C e o outro não. Duas histórias com desfechos totalmente diferentes.


A moderação desse encontro ficou por conta da atriz principal da peça, Kely Nascimento. Em relação aos convidados, participaram da live, Marlene Oliveira, fundadora e presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, Carlos Norberto Varaldo, fundador e cordenador do Grupo Otimismo e Carlos Eduardo Brandão Mello, presidente da SBH (Sociedade Brasileira de Hepatologia).


Kely Nascimento começa a live falando sobre o cuidado com a saúde do homem. A campanha Novembro Azul, criada pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, é uma das maiores campanhas de conscientização sobre a doença e, nesse aspecto, Marlene Oliveira fala sobre o trabalho que realiza no Instituto e os principais fatores de risco da doença “Em 2020 teremos mais de 65 mil novos casos de câncer no Brasil. É um número expressivo, por isso os homens precisam se atentar à sua saúde. No entanto, é muito importante que saibam que, se diagnosticado precocemente, esse tipo de câncer tem 90% de chances de cura. Por isso que enfatizamos no Novembro Azul a importância do homem se cuidar. O câncer de próstata atinge, em 62% dos casos, homens acima de 60-65 anos. Entre os fatores de risco estão a alimentação inadequada, sedentarismo e a obesidade”, explica a empreendedora social.


Assim como o câncer de próstata, a Hepatite C é uma doença silenciosa, ou seja, os sintomas quase são nulos no início. Por isso que as pessoas só descobrem a doença no estágio avançado.


Estima-se que hoje em dia, cerca de 700 mil pessoas têm Hepatite C e não sabem “Costumamos dizer que a Hepatite C é uma assassina silenciosa porque os sintomas são raros. Durante os anos o vírus vai comendo o fígado, criando fibrose, até que chega a uma cirrose e é nesse momento que começam a aparecer alguns sintomas. Durante 25 anos a pessoa vai ao médico, faz o hemograma e o exame não mostra que a pessoa está com diabetes. Tem que fazer exames específicos” alerta Carlos Varaldo, do Grupo Otimismo.


Outra questão preocupante da Hepatite C é o fato de que, em alguns casos, o paciente que se curou da doença pode se recontaminar. Isso ocorre, principalmente, com pessoas que tem uma vida promíscua, com uso de drogas e uma vida sexual promíscua “O indivíduo que foi tratado e curado pode se recontaminar. É um percentual pequeno, mas pode acontecer com um grupo pequeno, geralmente profissionais do sexo e usuários de drogas. O fato de ser curado não significa que não possa tê-la de novo”, diz Carlos Brandão.


A moderadora fala sobre outro tipo de câncer que acomete os homens, o câncer de pênis. Nesse momento, Marlene Oliveira explica que essa é uma doença bastante negligenciada pelos homens e que a higiene básica do órgão é a melhor forma de prevenção da doença “A campanha Novembro Azul é um alerta para a saúde integral do homem. Levamos informação sobre outros tipos de câncer que acometem o homem também: o câncer de pênis e o câncer de testículo. Falar de câncer de pênis é dar luz para uma doença negligenciada no nosso país. São mais de 1600 amputações/ano. Para falar disso, temos a página “Lave o Dito Cujo” no Instagram que, de forma divertida, conscientiza o homem sobre os cuidados básicos de higiene que previne esse tipo de câncer”, diz a presidente do Instituto Lado a Lado.


Ainda de acordo com Marlene, há um certo preconceito dos homens em cuidar do seu órgão sexual. Em muitos casos, ele percebe uma lesão no pênis, mas tem vergonha de procurar um médico “Muitas vezes o homem tem percebe uma lesão no pênis, mas tem vergonha de ir ao médico ver o que é aquilo. Ele prefere de automedicar, passar pomadas caseiras e aquela lesão vai aumentando. Para falar de câncer de pênis falta vontade política, ter campanhas permanentes no norte e nordeste onde se tem maior incidência”, fala Marlene.


Já no final da live, Carlos Brandão ressalta que a Hepatite C seja pouco sintomática, ela é uma doença sistêmica. “O vírus pode atingir outros órgãos. As manifestações, muitas vezes não acontecem no fígado, mas em forma de outras doenças como diabetes, doença renal, derrame pleural, manchas roxas no corpo, entre outras. Cerca de 20% a 30% dos paciente podem ter manifestações fora do fígado e, até mesmo, falta de memória e concentração”, explica o presidente da SBH.


Ao término das discussões, a live transmite a peça “Doces Lembranças”.




9 visualizações

Uma campanha do

Apoio Financeiro

Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados para Instituto Lado A Lado Pela Vida

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram